Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > História
Início do conteúdo da página

História

Publicado: Segunda, 15 de Maio de 2017, 20h02 | Última atualização em Quarta, 17 de Maio de 2017, 20h22 | Acessos: 135

1560

Decretada por Mem de Sá a extinção da Vila de Santo André da Borda do Campo, constituída, também, pelas terras que, futuramente, formariam os municípios de São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul. Este núcleo muda-se para junto do Pátio do Colégio de São Paulo.

1631

Os frades Beneditinos do Mosteiro de São Bento, da Capital, instalam-se na região denominada Sítio do Tijucussu, posteriormente acrescida pelas terras doadas pelo Sr. Duarte Machado e esposa, e pelo Capitão Fernão Dias Paes Leme, fundando a Fazenda São Caetano.

1764

As atividades dos frades Beneditinos são proibidas por Portugal, e as terras começam a ser abandonadas.

1793

Começa a fabricação de telhas e tijolos - olarias.

1866

Inaugurado o trecho da Estrada de Ferro São Paulo - Railway Company, ligando a Capital ao litoral, recomeçando, assim, a luta pelo progresso.

1867

16 de fevereiro, inaugurado o tráfego da Estrada de Ferro São Paulo - Railway Company e de uma parada de trens na Fazenda São Caetano.

1877

O Governo Imperial adquire as terras da Fazenda São Caetano para instalar um Núcleo Colonial, visando incentivar a imigração e minorar os efeitos da evasão agrícola. Com uma área de 1090 hectares, que, mais tarde, foi aumentada, o núcleo contava com 181 lotes demarcados, 101 distribuídos e 80 proprietários.

28 de janeiro, o Núcleo Colonial da Fazenda São Caetano é o primeiro a ter inauguração efetiva.

29 de junho, embarcam no vapor Europa, no porto de Gênova, Itália, com destino ao Brasil, as famílias de imigrantes, originários de Treviso, que colonizariam São Caetano.

28 de julho, data Oficial da Fundação da Cidade, é instalado com a presença do Dr. Sebastião José Pereira, Presidente da Província e do engenheiro Leopoldo José da Silva, da Comissão de Terras e Colonização, o Núcleo Colonial com o primeiro grupo de italianos colonizadores, integrado por 28 famílias. Os imigrantes consagraram como Padroeiro da localidade SÃO CAETANO DI THIÈNE, o "Santo da Divina Providência". Faziam parte os seguintes chefes de família: Antonio Gallo, Antonio Martorelli, Antonio Garbelotto, Caetano Garbelotti, Celeste Pantallo, Domenico Bottan, Domenico Perin, Eliseo Leoni, Emílio Rossi, Giácomo Dalcin, Giovanni Moretti, Giuseppe Braido, Giovanni Perucchi, Giovanni de Nardi, Giovanni Thomé, Giuseppe de Savi, Giuseppe Salla, Luigi D'Agostini, Modesto Castelotti, Natale Furlan, Pietro Pessotti, Paolo Martorelli, Pasquale Cavana e Thomaso Thomé.

Setembro, o Imperador Dom Pedro II visita a Fazenda São Caetano. Tal atitude fortalece, decisivamente, o espírito dos imigrantes italianos, que viriam a escrever uma das mais belas páginas da colonização do Brasil.

1878

Chega a São Caetano o segundo grupo de italianos colonizadores, oriundos da Província de Mântua - Montana, Itália, com os seguintes chefes de família: Luigi Baraldi, Francesco Coppini, Isacco Coppini, Francisco Carnevalle, Francesco Modesto, Eugênio Modesto e Domenico Vicentini.

1880

Posse definitiva da terra, pelos imigrantes.

1883

Pela lei nº 32 de março, cinco anos após a chegada dos colonos italianos, foram criadas pelo Governo Provincial duas escolas públicas de primeiras letras no Núcleo Colonial de São Caetano.

Nesse núcleo havia 251 colonos, sendo que 134 eram do sexo masculino, 117 do sexo feminino, dos quais eram solteiros os de 10 a 30 anos. Acusa o relatório de estatísticas de 1877 que 112 indivíduos eram analfabetos e 251, católicos.

1891

Fundada a primeira sociedade de caráter social e filantrópico, a Sociedade Beneficente "Principi di Napoli ". A segunda foi a "União Operária de São Caetano".

1901

O território da Fazenda São Caetano, que até então pertencia ao município de São Paulo, é anexado ao recém-criado Município de São Bernardo do Campo.

1905

10 de janeiro, na primeira Sessão Ordinária da Câmara Municipal de São Bernardo, cria-se a divisão desse município em cinco distritos fiscais, e eleva o Núcleo Colonial da Fazenda São Caetano a Distrito Fiscal.

1911

A Câmara Municipal de São Bernardo autoriza a construção do cemitério em São Caetano.

1912

1o de março são realizadas as primeiras eleições no Distrito de São Caetano, para a escolha do Presidente e do Vice-presidente do Estado, um Senador ao Congresso Estadual e dois Vereadores à Câmara Municipal de São Bernardo.

Pela lei nº 123 de 14 de agosto, foi dada a concessão e privilégio à Companhia de Melhoramentos de São Caetano para explorar por 30 anos os serviços de água e esgoto, e ao Sr. Luiz Martinelli o privilégio de explorar um matadouro por período de 20 anos.

1914

1º de maio, é fundado o São Caetano Esporte Clube.

1915

A São Paulo Light and Power realiza o serviço de instalação de luz elétrica em São Caetano.

13 de junho, São Caetano ganha o seu primeiro jornal "O Progresso".

1916

São Caetano é elevado a Distrito de Paz pela Lei Estadual nº 1.512 de 04 de dezembro, pelo Dr. Altino Arantes, Presidente do Estado.

A indústria Pamplona é a primeira fábrica instalada, vindo a seguir a fábrica de Formicida Paulista.

O Sr. José Golfetti instala o primeiro cinema, chamado "cinematographo".

1917

Fundadas as Escolas Reunidas.

1922

Inaugurado o Cinema Central, na Rua Perrella nº 34, com capacidade para 900 pessoas.

1924

31 de março, elevação canônica de São Caetano à condição de Paróquia, pelo Arcebispo Dom Duarte Leopoldo e Silva. O primeiro Vigário foi o Padre José Tondin.

1928

15 de janeiro, surge o São Caetano Jornal.

Tem início o Movimento pela Autonomia de São Caetano, liderado por Armando de Arruda Pereira e Matheus Constantino.

1929

A Assembléia Legislativa rejeita o projeto de lei que cria o Município de São Caetano.

1930

Inauguração da Fábrica da General Motors do Brasil, em 12 de agosto.

1931

O Cemitério de São Caetano passa a denominar-se Necrópole da Saudade.

Em novembro circula o Jornal Nossa Foha.

1933

Circula pela cidade, no mês de janeiro, o Jornal O Calado.

1934

Pelo decreto federal nº 23.844 de 07 de janeiro, criou-se a Segunda Coletoria Federal, com sede em São Caetano.

1937

A Estação da Estrada de Ferro Santos- Jundiaí, naquela época São Paulo-Railway Company, acusava um movimento mensal de 98.000 passageiros, uma média de 3.300 por dia. O Observador Econômico Financeiro, folha 37, de nº 72, mostrava que São Caetano superava o resto dos Municípios em capital aplicado de 110.431.900 (réis), com 7.022 operários adultos e 1.963 menores, para uma área ocupada de fábricas de 319.561 metros quadrados.

1938

Santo André substitui São Bernardo do Campo, agregando o território de São Caetano.

1939

São Caetano é rebaixada, perde seu nome, e passa a chamar-se Segunda Zona de Santo André.

1946

A 28 de julho, surge o Jornal de São Caetano, que tem como bandeira o Hospital São Caetano, idealizando, posteriormente, o ressurgimento do Movimento Autonomista.

Líderes Autonomistas - Acácio Spachaquercia, Ademar Pereira de Barros, Alfredo Malateux, Alfredo Maluf, Américo Cavaglini, Anacleto Campanella, Ângelo Rafael Pellegrino, Antônio Caparroz Guevara, Antônio Dardis Netto, Antônio Feliciano da Silva, Antônio Lojudici, Antônio Paulo Silvestre, Antônio Silvio Cunha Bueno, Arlindo Marchetti, Arnaldo Sigollo, Artur Garbelotto, Auro Soares de Moura Andrade, Avelino Benedicto Poli , Benedito Moretti, Benedito Moura Branco, Bento Velanes Regis, Bruno Bisquolo, Carlos Paez, Celso Waldomiro Maschezan, Cláudio Perrella, Clodomiro Gusmão Rocco, Concetto Constantino, Décio Queiroz Telles, Desirée Malateaux Netto, Ermelindo Locoselli, Fábio Vieira de Souza, Faustino Pompermayer, Fernando Piva, Firmino Garbelotto, Gabriel Migliori, Geraldo Benicasa, Geraldo Plates, Giacomo Garbelotto Netto, Heitor Bisquolo, Helena Musumeci, Idalino Moretti, Ítalo Dal´Mas, Jacob João Lorenzini, Jaime da Costa Patrão, João Antônio Curtis, João Barile, João Dal´Mas, Joaquim Zanini, Jordano Pedro Segundo Vicenzi, José Astolfi, José Bonifácio Fernandes, José Carlos de Ataliba Nogueira, José Homem de Bittencourt, José Porfírio da Paz, José Vertíchio, Júlio Marcucci, Laura Moretti, Lauriston Garcia, Lauro Garcia, Lincoln Feliciano, Lourenço Martorelli, Luís Fiorotti, Luís Martorelli, Luís Rodrigues Neves, Manuel Moraes, Mário Bortoleto, Mário Dal´Mas, Mário Porfírio Rodrigues, Mateus Constantino, Mauro Corvello, Miguel Marcucci, Militino Azzi, Moacir Firmino Correa, Nélson Infanti, Nicodemos Marcondes, Olga Montanari de Mello, Olinto Quaglia, Orlando Candido Barile, Osvaldo Bisquolo, Osvaldo Giampietro, Paulo da Silva Modesto, Paulo de Oliveira Pimenta, Pedro Pardo Oller, Rafael Crespan, Sílvio Fernandes, Sofia Sampaio, Tadeu D´Agostini, Valentim Inácio da Silva, Vicente Orlando, Walter Thomé.

02 de setembro, criada a Sociedade Amigos de São Caetano, para dar sustentação legal às reivindicações da população.

07 de dezembro, fundada a Sociedade Beneficente Hospitalar São Caetano, objetivando a construção do primeiro hospital no local.

1947

07 de dezembro, lançada a pedra fundamental do Hospital São Caetano.

1948

Sob a égide da Sociedade Amigos de São Caetano, concretiza-se o Movimento Autonomista, com a aprovação do projeto de lei na Assembléia Legislativa, para a realização de um plebiscito entre os moradores locais.

24 de outubro, é realizado o plebiscito, cuja manifestação foi favorável, com 8.443 votos a favor da autonomia e 1.107 contra. Esta passa a ser a data oficial da Emancipação Político-Administrativa de São Caetano.

24 de dezembro o Governador Adhemar de Barros sanciona a lei nº 233, que cria o Município de São Caetano, acrescido do apêndice "do Sul", para diferenciá-lo do seu homônimo no Estado de Pernambuco.

1949

1º de janeiro, declaração de vigência, em ato público e solene, do Quadro Territorial, Administrativo e Judiciário do Estado, a vigorar no quinquênio de 1949 a 1953, configurando os limites do município de São Caetano do Sul, efetivamente criado.

13 de março, realizada a primeira eleição municipal. O Dr. Ângelo Raphael Pellegrino é eleito primeiro Prefeito de São Caetano do Sul, juntamente com a primeira Câmara de Vereadores.

03 de abril, instalado o Município de São Caetano do Sul, com a posse o Poder Executivo e Legislativo.

Neste ano, a Prefeitura Municipal mudou-se da Rua Rio Grande do Sul esquina com a Rua Pará para a Rua Rio Grande do Sul esquina com a Rua Baraldi.

A Câmara Municipal é instalada na Rua João Pessoa nº 120, sendo o seu primeiro Presidente o vereador Sr. Accácio Novaes.

1950

Através da Lei nº 72 de 10 de março de 1950, é instituído o Brasão de Armas de São Caetano do Sul, projetado e executado por Salvador Thaumaturgo.

1953

Promulgada a Lei nº 346, de 28 de julho de 1953, instituindo a Bandeira do Município.

21 de dezembro, criação da Comarca de São Caetano do Sul.

1954

Inaugurado o Edifício Vitória, na Rua Santo Antônio nº 320, que passa a abrigar a Prefeitura Municipal (2º andar), a Câmara Municipal (5º andar) e, posteriormente, o Fórum (1º andar), unindo no mesmo local os três Poderes.

1955

03 de abril, instalação da Comarca de São Caetano do Sul.

1960

08 de março, a Câmara Municipal concede o seu primeiro Título Honorífico de Cidadão Sulsancaetanense ao Dr. Milton Evaristo dos Santos, com Sessão Solene realizada em 28 de julho.

1961

19 de março, inauguração do Paço Municipal de São Caetano do Sul, na Av. Goiás nº 600. Em suas dependências passam a funcionar a Prefeitura Municipal e a Câmara Municipal, sendo o primeiro da Região do Grande ABC construído para essa finalidade.

1968

Criada a Fundação das Artes de São Caetano do Sul.

10 de novembro, inaugurado o Teatro Paulo Machado de Carvalho, considerado a maior casa de espetáculos da região com 1.350 lugares.

1974

Comemorado o Jubileu de Prata do Movimento Autonomista, a Câmara Municipal outorga o título de Patriarca da Autonomia ao Dr. Ângelo Raphael Pellegrino.

1977

28 de julho, comemoração do Centenário de Fundação da Cidade.

1989

Instala-se a Câmara Constituinte Municipal.

1990

07 de abril, promulgação da Lei Orgânica do Município de São Caetano do Sul.

1992

29 de agosto, inauguração do Palácio da Cerâmica, nova sede do Poder Executivo, denominada "Prefeito Dr. Ângelo Raphael Pellegrino", na Rua Eduardo Prado nº 201.

1992

22 de agosto, inauguração do Palácio das Águas, sede do Departamento de Águas e Esgoto de São Caetano do Sul.

1998

Ano da Comemoração do Cinqüentenário da Emancipação Político-Administrativa do Município de São Caetano do Sul.

23 de julho, a Câmara Municipal denomina a sua Sala das Sessões de Plenário dos Autonomistas, em homenagem aos 50 anos da Emancipação Político-Administrativa do Município.

24 de setembro, em Sessão Especial, a Câmara Municipal de São Caetano do Sul homenageou todos os Líderes Autonomistas e familiares com a entrega da Medalha dos Autonomistas, instituída para distinguir personalidades de destaque em nossa sociedade.

registrado em:
Fim do conteúdo da página