Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > História > Câmaras do Brasil
Início do conteúdo da página

Câmaras do Brasil - Uma Breve História

Publicado: Segunda, 15 de Maio de 2017, 20h18 | Última atualização em Quarta, 17 de Maio de 2017, 20h24 | Acessos: 64

Breve História Das Câmaras Municipais No Brasil

Três décadas depois da descoberta do Brasil pelos portugueses, a ocupação territorial começou a basear-se no assentamento de colonos e na implantação de atividades econômicas duradouras e não apenas extrativistas, como ocorria de início com o pau-brasil. O Brasil se transformava no principal pólo colonial dos interesses portugueses, porque os lucros com o comércio das Índias haviam desaparecido. As riquezas obtidas no Oriente foram consumidas com o luxo da Corte, a construção de edifícios e presentes dados aos amigos da realeza. O reinado de D. Manuel, o Venturoso, chegava ao fim e começavam a faltar recursos para manter guarnições militares e construir navios. Com isso, o Reino viu-se obrigado a recorrer a enormes empréstimos de banqueiros internacionais.

Era preciso garantir a posse daquilo que se mostrava mais promisso para o Reino: para tornar eficiente a nova política colonial, era preciso atrair colonos com promessas de riquezas. O rei D. João III decidiu-se pela implantação de um sistema de colonização que se revelou eficiente nos pequenos arquipélagos da Madeira e dos Açores: a divisão do território em grandes lotes, doados a fidalgos portugueses. Assim, a Coroa garantia a posse de sua nova colônia e transferia as despesas com a colonização para particulares.

A Coroa doou 15 extensas faixas de terra a 12 donatários portugueses - do litoral do Oceano Atlântico aos limites estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas. A fim de atraí-los e incentivá-los, todos os donatários teriam direito de administrar e explorar sua capitania e transmiti-la como herança ao filho mais velho. O donatário tinha como obrigação colonizar a capitania, fundando vilas. Via-se obrigado a policiar suas terras, proteger os colonos contra os ataques dos índios e estrangeiros, e deveria fazer cumprir o monopólio real do pau-brasil e do comércio colonial. Se fossem encontrados metais preciosos, um quinto do valor era pago à Coroa. Apesar de todos esses poderes econômicos e administrativos, os donatários tornavam-se possuidores, mas não proprietários das capitanias: não podiam dividi-las nem vendê-las. Tinham, no entanto, o direito de doar sesmarias (vastas propriedades) a colonos, escravizar índios para trabalho agrícola, montar engenhos, cobrar impostos e exercer a justiça no perímetro de seus domínios. Apenas duas Capitanias Hereditárias vingaram em território brasileiro: São Vicente e Pernambuco.

Martim Afonso de Souza fez prosperar a Capitania de São Vicente, no litoral paulista. Em 1553, o português João Ramalho recebeu documento do governo real que lhe garantia a posse das terras que hoje constituem, grosso modo, as cidades do Grande ABC. Ramalho chamou a localidade de Santo André da Borda do Campo. Em 1560, a população da Vila de Santo André foi transferida para São Paulo de Piratininga, fundada seis anos antes pelos jesuítas Manoel da Nóbrega, Manuel de Paiva e José de Anchieta e a Câmara Municipal de São Paulo iniciava suas atividades.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página